Página inicialwww.oproblemista.com.br Você está aqui Codex
(p)1999-2008 por Leo Mano. Rio de Janeiro - RJ, Brasil
problemasdexadrez@terra.com.br

Código para Composições de Problemas de Xadrez e Torneios de Composição e Solucionismo
(p)1998 by Permanent Commission of the FIDE for Chess Compositions (PCCC)


Parte 1: A Composição de Xadrez

Capítulo I – Princípios Gerais

§1 – Independência.
A Composição de Xadrez é uma forma independente de atividade que consiste em aproveitar as características encontradas no, ou derivadas do, jogo de xadrez como material para criações de efeito artístico ou construções na forma de problema de xadrez.

§ 2 – Problema de Xadrez
Um problema de xadrez normalmente consiste de uma posição sobre um tabuleiro de xadrez (*1), um enunciado formado por palavras (*2) e a solução. Um problema de xadrez é o resultado de um ato criativo de um ou mais autores (*3).

§ 3 – A Solução de um Problema de Xadrez
A solução de um problema de xadrez normalmente consiste em uma ou mais sequências de lances que satisfazem o enunciado. A solução idealizada pelo autor é chamada "solução do autor".

§ 4 – Conteúdo de um Problema de Xadrez
Em adição à solução do autor, o conteúdo de um problema de xadrez pode incluir jogo virtual (*5, *6), jogo real ou aspectos formais (*7).

Capítulo II – Tipos de Problemas de Xadrez (*8)

§ 5 – Classificação Conforme o Enunciado
Os problemas de xadrez podem ser classificados em vários grupos conforme seus enunciados. Além dos grupos historicamente estabelecidos, a saber, estudos, mates diretos, inversos e ajudados (*9), outros mais (*10) surgiram (*11).

§ 6 – Tipos Especiais
Adicionalmente (e independente da classificação descrita no artigo 5), existem alguns tipos especiais incluindo: a) Retroanalíticos; b) Matemáticos; c) Construção.

§ 7 – Classificação Conforme as Regras.
Além disso, os problemas de xadrez podem ser classificados entre aqueles que aplicam as regras-FIDE do jogo de xadrez (*12) e aqueles que modificam estas regras (*13, *14).

Capítulo III – Validade.

§ 8 – Solução do Autor
Todo problema de xadrez deve ser capaz de ser resolvido apenas pela solução do autor. Características especiais eventualmente existentes na solução do autor (tais como soluções múltiplas ou jogo aparente em mates ajudados) deverão ser expressamente assinalados no enunciado.

§ 9 – Furo
1) Um problema de xadrez é considerado com furo se possuir solução diferente da solução do autor em seu primeiro lance.

2) Em estudos, o furo é um método que satisfaz o enunciado mas que é diferente do que o autor intencionava, não necessariamente começando logo no primeiro lance.

§ 10 – Dual
1) Um dual ocorre se, após o primeiro lance, existem mais que um método para satisfazer o enunciado.

2) Em um estudo, um dual é um método que satisfaz o enunciado que difere da solução do autor mas é igualmente eficiente. Existem pelo menos três tipos desses duais: a) Alteração na sequência de lances; b) Em uma longa manobra uma peça alcança uma casa diferente mas obtendo o mesmo resultado da solução do autor; c) Prorrogação artificial da solução.

§ 11 – Solução Abreviada
Uma solução abreviada é um método que satisfaz o enunciado em menos lances que o requerido, podendo significar um furo ou um dual.

§ 12 – Sem Solução
Um problema de xadrez é dito sem solução se não existir um método capaz de satisfazer o enunciado.

§ 13 – Problemas de Xadrez Defeituosos
1) Um problema de xadrez é defeituoso se estiver com furo ou com solução abreviada ou sem solução (*15).

2) Problemas de ajuda também são considerados defeituosos se apresentarem duais. Poderá ser tolerada a exceção (*16) de quando o último lance for de promoção para diferentes peças porém de força empregada semelhante (por exemplo Dama/Torre ou Dama/Bispo).

Capítulo IV – Outras Convenções.

§ 14 – Legalidade das Posições
1) Uma posição é legal se ela pode ser alcançada por meio de uma sequência de lances a partir da disposição inicial (*17) de um jogo de xadrez. Caso contrário a posição é dita ilegal (*18).

2) Em estudos e problemas que utilizam as regras-FIDE, posições ilegais não são aceitáveis em torneios de composição a menos que as condições do torneio estipulem em contrário.

§ 15 – Primeiro Lance
Se um tipo não convencional de problema, por si só, não indicar o bando a executar o primeiro lance (*9), este deverá ser indicado no enunciado ou deduzido por meio de análise retrógrada. (*19).

§ 16 – Movimentos Condicionais
1) O roque é admitido a menos que se possa provar que ele não é permitido. Uma captura en passant é admitida no primeiro lance apenas se for possível provar que o lance anterior foi um duplo-passo do peão a ser capturado (*20).

2) Nos casos de dependência mútua do direito de roque dos dois bandos, o bando que primeiro exercer esse direito estará automaticamente qualificado para isso. Outras convenções que também afetam outros direitos de lances condicionais, deverão ser expressamente estipulados. Por exemplo: a) Se, para que uma captura en passant ao longo da solução possa ser admitida, for exigido um roque subsequente; b) Se várias possibilidades que resultam em várias soluções forem ilustradas em prova de partida ou em algumas partes dela, então estas possibilidades serão chamadas de retrovariantes (RV).

§ 17 – Regra dos 50 Lances
Salvo estipulação expressa em contrário, a regra dos 50 lances não se aplica às soluções dos problemas de xadrez exceto nos problemas retroanalíticos.

§ 18 – Repetição da Posição
A posição é considerada empatada se for possível provar que uma idêntica posição (*21) ocorreu três vezes na prova de partida combinada com a solução.

Parte 2: O Problema de Xadrez e a Publicação

Capítulo V – Publicação

§ 19 – Consequência da Publicação
A partir da primeira publicação de um problema de xadrez, o autor adquire o direito de reclamar prioridade para ele e uma data de prioridade é assinalada para ele (artigo 22).

§ 20 – Definição de Publicação
1) A publicação de um problema de xadrez consiste de sua comunicação ao público, seja em meio permanente (documento impresso ou meio magnético de gravação) ou meio temporário (um mural de apresentação ou através de meio eletrônico).

2) Para os propósitos deste artigo, "comunicação ao público" significa permitir que um irrestrito número de pessoas venham a ter a oportunidade de acessar um problema de xadrez por: a) apresentação em formato permanente ou; b) divulgando-o ou utilizando-o em conferência ou torneio de solucionismo que se enquadrem nas categorias listadas no Anexo 1 ou; c) divulgando-o em formato temporário através de um meio de acesso genérico (rede de computadores) (*22).

3) Um problema de xadrez que teve sua primeira publicação conforme o parágrafo 2b acima, detém o direito de prioridade a partir da data daquela publicação e está também habilitado a competir em qualquer torneio de composição nos próximos dois anos.

§ 21 – Formato de Publicação
A publicação de um problema de xadrez geralmente deverá ter sua posição apresentada em forma de diagrama. Além disso, os seguintes atributos deverão ser indicados:

1) Nome(s) do(s) autor(es);

2) No caso de primeira publicação, a indicação deste fato ("inédito", "original");

3) No caso de reprodução, as seguintes particularidades da fonte da primeira publicação tão exatas quanto possível (*23); a) Nome e data da publicação; b) se pertinente, indicação de que a versão difere da publicação original ("correção", "versão", "depois de", "v").

4) Premiação (*24).

5) Enunciado em palavras (*9) ou, preferivelmente, em abreviações costumeiras e incluindo as seguintes particularidades: a) Jogo aparente, se houver, nos problemas de ajuda (*25); b) mudanças na posição do diagrama nos casos de geminações; c) A quantidade de soluções, se mais que uma; d) Variantes nos problemas de ajuda (numericamente por 1.2.1.1).

6) Todos os elementos feéricos, se apropriado.

7) Ensaios podem ser indicados (por exemplo, com o uso de "v").

8) Solução do autor (*26).

Capítulo VI – Prioridade.

§ 22 – Definição de Prioridade
1) A prioridade de um problema de xadrez é determinada pela sua data de prioridade.

2) A data de prioridade de um problema de xadrez é: a) A real data de sua primeira publicação (*27) ou; b) se sua primeira publicação foi na premiação de um torneio formal, a data de encerramento daquele torneio.

3) Um problema de xadrez será mais recente ou mais antigo que outro através da comparação das datas de prioridade de ambos.

§ 23 – Prioridade de um Problema de Xadrez Defeituoso
1) Se um problema de xadrez publicado é descoberto defeituoso (*28), ele perde sua data de prioridade a menos que uma correção seja publicada até três anos após a publicação do defeituoso.

2) O autor de um problema de xadrez que tenha sido publicado com defeito detém os seguintes direitos: a) Corrigir a composição ele mesmo e; b) Ser citado como autor se uma correção for feita por outro (*29).

§ 24 – Antecipação
1) Um problema de xadrez é antecipado se existir uma idêntica composição com data de prioridade anterior. Os problemas de xadrez antecipados não estão aptos a receber qualquer premiação (*30).

2) Problemas de xadrez parcialmente antecipados estão aptos a receber prêmios: Seus méritos serão matéria para o júri, que determinará o grau de antecipação.

3) Uma segunda versão de um correto problema de xadrez publicado em um torneio informal, se publicado no mesmo torneio pelo mesmo autor, não será considerado parcialmente antecipado pela versão original.

Capítulo VII – Torneios

§ 25 – Categorias dos Torneios
Uma das atividades da composição de xadrez é a condução de torneios para compositores e solucionistas (*31).

§ 26 – Torneios de Composição
Torneios de composição requerem um diretor, ao qual todos os competidores se dirigirão, e pelo menos um juiz (*32) que fará a premiação ou seleção. Orientações para a organização de torneios de composição são apresentadas no capítulo 1 do Anexo II. Torneios de composição se enquadram nas seguintes categorias:

1) Primário, isto é, para compositores que jamais publicaram antes, exceto sob o artigo 20/2b. Os torneios primários podem ser: a) informal, isto é, onde as composições competidoras foram publicadas antes de serem julgadas ou; b) formal, isto é, onde as composições competidoras não foram publicadas antes do julgamento (*33).

2) Secundária, isto é, para compositores que já publicaram e podem já ter competido em um torneio primário (um campeonato nacional).

§ 27 – Torneio de Solucionismo
Torneios de solucionismo são organizados no local do julgamento (em uma única data e local) ou por correspondência. Suas regras são ditadas pelos organizadores e são controladas por um diretor. Orientações para sua condução são apresentadas no capítulo 2 do Anexo II. Em princípio:

1) Em um torneio organizado em loco, todos os participantes deverão se apresentar no local e na data estipulados e deverão resolver os problemas sem qualquer auxílio técnico além das peças e tabuleiro de xadrez.

2) Em um torneio por correspondência (por exemplo, organizado por uma revista), os participantes enviam as soluções ao diretor dentro de um prazo determinado.

3) Em qualquer caso, as soluções deverão ser avaliadas de acordo com um método pré-determinado que deverá ser conhecido pelos participantes.

ANEXO I – Palestras Públicas e Torneios de Solucionismo (artigo 20/2b)

Eventos são considerados públicos apenas se eles se enquadrarem em uma das seguintes categorias:

1) Uma palestra pública durante: a) um encontro da PCCC; b) uma competição organizada pela FIDE; c) um encontro de uma organização nacional de problemas de xadrez anunciada antecipadamente pela respectiva organização; d) qualquer outro encontro que tenha sido anunciado antecipadamente ao público pela organização nacional de problemas de xadrez do país interessado.

2) Torneios de Solucionismo: a) O WCSC organizado pela PCCC; b) um campeonato nacional de solucionismo; c) um campeonato aberto de solucionismo organizado durante um encontro mencionado no parágrafo 1 acima.

ANEXO II – Orientações Para Organização de Torneios.

Capítulo I – Torneios de Composição

§ 1 – Anúncio de um torneio de composição
Um torneio primário de composição para obras originais começa com o anúncio que deverá incluir as seguintes características: a) Nome do organizador (revista, organização); b) Os tipos admitidos de composições (mate em 2, mate em 3, ajudados); c) Indicação de condições especiais que afetam a composição (tema, restrição de força, se posições ilegais serão admitidas em um torneio que utiliza regras-FIDE, deverão ser declarados); d) Indicação de qualquer requisito adicional (restrição de quantidade de obras por autor); e) O endereço do diretor do torneio para o qual os inscritos se dirigirão; f) Data de encerramento, se pertinente; g) O nome do juiz; h) No caso de torneios formais, se há pretensão de que as obras que não forem premiadas venham a ser publicadas sem notificação do compositor.

§ 2 – Funções do diretor
As normais funções de um diretor são as seguintes:

1) Em um torneio formal: a) Receber as composições competidoras e fazer qualquer alteração ou correção submetida pelo autor antes da data prazo; b) Eliminar composições que são obviamente inadmissíveis (*34); c) Transcrever os problemas admitidos para um formato anônimo, se necessário, e envia-los com a solução completa aos jurados; d) Notificar o júri de qualquer condição incomum ou restrição aplicável ao torneio ou a sua premiação (restrição de quantidade de prêmios); e) Receber e publicar o laudo do júri e assegurar-se de que cada competidor receba uma cópia; f) Receber qualquer reclamação feita dentro do prazo permitido e transmitir ao júri tudo que for necessário segundo seu critério (*35); g) Receber e publicar qualquer retificação posterior à premiação feita pelo júri e notificar os competidores afetados.

2) Em um torneio informal: a) Notificar o júri de todas as composições admitidas (*36), de todas as alterações e correções consideradas; b) de outro modo, proceder como nos itens d ao g acima.

§ 3 – Funções do Júri
Sujeitas às condições especiais ou restrições aplicáveis a cada torneio, as normais funções do júri são as seguintes:

a) Certificar-se de que são conhecidas as formas finais de todas as composições admitidas, isto é, de que todas as alterações ou correções efetuadas pelos competidores antes da data prazo tenham sido incorporadas; b) Eliminar todas as composições que não estejam em conformidade com o tema ou outros requisitos do torneio; c) Considerar todas as composições admitidas em sua forma final; d) Decidir quais composições entre as admitidas possuem, em seu julgamento, suficiente mérito estético para ser premiado; e) Certificar-se, tanto quanto possível, que nenhuma das composições que venham a ser premiadas tenham sido antecipadas e notificar qualquer antecipação parcial conhecida por eles; f) Preparar uma lista com as composições premiadas por ordem de mérito de acordo com seu julgamento e, normalmente, dividindo-os em grupos como os de vencedores, menções honrosas e recomendados na quantidade que acharem adequada e adicionar comentários que sejam considerados apropriados; g) Submeter seu laudo ao diretor dentro do prazo; h) Considerar qualquer reclamação de sua premiação encaminhada pelo diretor e notificar o diretor prontamente de suas avaliações sobre cada reclamação, incluindo eventuais retificações futuras em sua premiação.

§ 4 – Formulário de Inscrição
O formulário de inscrição para torneios de composição deverão reunir os quesitos formais descritos no artigo 21 e indicar o nome e endereço do autor. Observações temáticas ou teóricas podem ser adicionadas (*37).

§ 5 – A Premiação
a) A premiação deve ser publicada e enviada a todos os participantes do júri e compositores em prazo razoável (normalmente três meses). b) Dentro do prazo que deverá ser anunciado na premiação (normalmente três meses a partir da data de publicação da premiação), qualquer pessoa pode apresentar reclamações contra a premiação com o diretor. As reclamações deverão ser baseadas em defeitos ou antecipações em uma obra premiada. Os fatos relevantes ou evidências (furos ou antecipações) deverão ser indicados. c) Se nenhuma reclamação for feita dentro do prazo, a premiação estará concluída. Se uma reclamação for feita, a parte da premiação que não for afetada será considerada concluída a despeito da parte com possibilidade de mudanças em consequência da reclamação.

§ 6 – Outros
a) Não é necessário um anúncio detalhado para torneios informais que sejam organizados periodicamente por revistas de xadrez (torneios anuais). b) Composições que não foram publicadas durante o período de um torneio podem ser transferidas para o torneio informal do período seguinte pelo diretor sem notificar o autor, desde que o autor não tenha feito específica recusa disto. c) O diretor (por exemplo, o editor de uma coluna em uma revista de xadrez) não é obrigado a publicar todas as composições inscritas em um torneio informal. d) O autor deverá receber prova (*38) da publicação de sua composição dentro de prazo razoável após a publicação. e) Um autor que, dentro do prazo de dezoito meses desde o envio de uma composição ao diretor de um torneio informal, não receber qualquer evidência de publicação ou qualquer outra informação referente a sua obra pode assumir que está livre para envia-la a outro torneio de composição (*39).

Capítulo II – Torneios de Solucionismo.

Torneios de solucionismo podem ser organizados sob várias condições definidas pelo organizador de um torneio particular. Para mostrar, a título de exemplo, como um torneio de solucionismo organizado em loco pode ser organizado, as seguintes regras, que são um resumo das regras do WCSC, são fornecidas:

1) O WCSC consiste de seis etapas ao longo de dois dias com três etapas em cada dia de acordo com a seguinte tabela:

Etapa 1: 3 mates diretos em 2 lances com 20min de tempo limite para as soluções.
Etapa 2: 3 mates diretos em 3 lances com 60min de tempo limite para as soluções.
Etapa 3: 3 finais artísticos com 100min de tempo limite para as soluções.
Etapa 4: 3 mates ajudados com 50min de tempo limite para as soluções.
Etapa 5: 3 mates diretos em mais lances com 80min de tempo limite para as soluções.
Etapa 6: 3 mates inversos com 50min de tempo limite para as soluções.
Os intervalos entre as etapas é de, pelo menos, 15min.

2) Os problemas a serem resolvidos deverão ser originais ou, alternativamente, problemas publicados mas pouco conhecidos.

3) Os problemas selecionados deverão demonstrar um tema claro e um bom nível de qualidade e dificuldade. Em cada etapa, os três problemas deverão representar diferentes estilos.

4) Todos os problemas deverão possuir uma única solução exceto nos casos onde mais de uma solução é especificamente indicada. Os problemas deverão estar testados em computadores tanto quanto possível.

5) Os problemas a serem resolvidos deverão ser apresentados impressos em diagramas.

6) O solucionista pode utilizar um tabuleiro de xadrez e peças disponibilizados pelo organizador (ou seu próprio conjunto); O uso de computadores ou tabuleiros de computadores durante o torneio está proibido.

7) As soluções deverão ser anotadas das seguintes maneiras: a) Mates diretos em n lances: todos os lances das variantes longas – incluindo a ameaça se ela também é longa – exceto o último lance negro e o lance de mate, ou seja, nos mates diretos em 2 lances, basta o lance chave; nos mates em 3 lances e variantes de 3 lances, incluindo ameaça, anotar até o segundo lance branco, etc; b) Nos mates ajudados, anotar todos os lances; c) Nos mates inversos, anotar todos os lances exceto o lance de mate em cada uma das variantes longas, incluindo a ameaça se ela também for longa; d) Em finais artísticos, anotar todos os lances até alcançar uma situação óbvia de ganho ou empate.

8) Nos problemas onde mais de uma solução são indicadas o solucionista deverá requerer o número de soluções. Em todos os outros problemas e finais artísticos apenas uma solução é pedida.

9) Se um solucionista achar que encontrou um furo, ele pode anota-lo ao invés da solução. Neste caso, ele deve fornecer todos os lances do furo de acordo com o parágrafo 7. Uma solução correta e completa ou furo de um problema, vale 5 pontos. A solução completa pode ser composta por várias soluções isoladas. Uma solução incompleta vale menos pontos. Variantes incorretas ou incompletas (ou soluções incorretas ou incompletas quando mais de uma solução é indicada) valem zero pontos. O diretor deve determinar a distribuição de pontos para cada solução (isto é, para cada diferente variante, lances ou soluções isoladas) antes do torneio começar. Se um problema não tiver solução apresentada, zero pontos serão atribuídos ao problema. Se um problema é insolúvel, todos os solucionistas empatarão no tempo dispendido que será igual ao tempo máximo permitido naquela etapa. Um problema com posição ilegal será tratado como tendo posição legal.

10) Se um lance é anotado incorretamente, de forma confusa ou ambígua, esta variante ou solução isolada é considerada incorreta. Se, entretanto, o diretor do júri (parágrafo 15) estiver absolutamente certo de que o competidor pretendeu o lance correto, esta variante ou solução isolada poderá ser considerada correta.

11) Para efeito de pontuação, os pontos conquistados por um competidor em cada etapa serão totalizados, bem como o tempo dispendido. O solucionista com zero pontos em uma etapa somará o tempo máximo daquela etapa. A quantidade de pontos determina a colocação. Em eventuais empates em pontos, o solucionista ou equipe com o menor tempo total dispendido ficará melhor colocado.

12) Os participantes deverão ser informados das soluções oficiais de uma etapa imediatamente após seu término. O resultado de cada etapa deverá ser anunciado por escrito o mais breve possível.

13) Se for provado que um problema está incorreto (furo, dual, sem solução), o fato deverá ser anunciado o mais breve possível.

14) Protestos contra qualquer decisão deverão ser encaminhados por escrito ao diretor até uma hora após divulgada a decisão. O diretor, caso decida por isso, poderá recebê-los após este prazo.

15) É obrigação do diretor equacionar tais protestos e resolver as pendências. Ele deve verificar se uma solução fornecida por um competidor pode ter sido encontrada apenas por este competidor ou capitão ou qualquer outro membro de seu time. Reclamações contra qualquer decisão do diretor deverão ser feitas por escrito e encaminhadas ao diretor no prazo de 12 horas após a divulgação da decisão. Tais reclamações deverão ser avaliadas por um júri composto pelo diretor e duas pessoas neutras nomeadas por ele de comum acordo com o capitão do time afetado. A decisão da maioria do júri será irrecorrível.

Observações

*1. Em alguns casos pode não ser dada necessariamente uma posição, por exemplo, em certos casos de problemas matemáticos ou problemas de reconstrução.
*2. Em alguns casos a composição pode ter mais de um diagrama ou enunciado (geminações).
*3. O uso de computador não resulta em uma autoria do computador.
*5. Jogo virtual pode incluir o jogo aparente, ensaio, etc.
*6. Em alguns tipos, por exemplos os ajudados, o jogo aparente é parte da solução do autor.
*7. Aspectos formais podem incluir, por exemplo, padrões especiais de movimento, posições figurativas, miniaturas, etc.
*8. Os artigos 5 até 7 não pretendem esgotar o assunto. Outras classificações são possíveis e também praticadas, por exemplo, de acordo com a quantidade de peças usadas (miniatura, Meredith) ou de acordo com outro critério qualquer.
*9. Exemplos de enunciados usados frequentemente em cada classificação:

a1) Brancas jogam e ganham, sem restrição de quantidade de lances (estudos).
a2) Brancas jogam e empatam, sem restrição de quantidade de lances (estudos).
b) Brancas dão mate em um máximo de lances pré-determinado (mates diretos).
c) Brancas jogam e forçam as negras a darem mate no rei branco em um máximo de lances pré-determinado (inversos).
d) Negras jogam e cooperam para que as brancas dêem mate no rei negro em um máximo de lances pré-determinado (ajudados).

*10. Outros grupos podem ser, por exemplo, pates, seriados, etc.
*11. Composições que não são estudos, normalmente são chamadas de problemas.
*12. Atualmente, as regras válidas do jogo de xadrez são as que foram determinadas no congresso da FIDE em Yerevan (1996). Os artigos relevantes para a composição de problemas são os de número 1 até o 5.
*13. Dentro deste contexto, os termos ortodoxo, heterodoxo, feérico e eco são utilizados.
*14. Modificações nas regras FIDE podem, por exemplo, consistir de:

a) Regras (condições) nas quais a composição é baseada como, por exemplo, máximo, circe, seriado.
b) As peças usadas nas composições como, por exemplo, cavaleiro da noite, gafanhoto, peças chinesas.
c) O espaço no qual a composição é baseada como, por exemplo, tabuleiros 10x10, cilíndricos, multidimencionais.

*15. A gravidade dos defeitos tais como duais não previstos (em problemas que não sejam de ajuda) ou múltiplas refutações não previstas em ensaios, são matérias para avaliação do júri.
*16. Tais duais são normalmente tolerados também em outros tipos de composição.
*17. Tal sequência de lances é chamada de prova de partida.
*18. Análise Retrógrada não suporta posições ilegais exceto quando o propósito é justamente determinar que ela é ilegal. Também não suporta composições feéricas a menos que seja essencial para satisfazer a composição.
*19. Para os propósitos do artigo 9, o lance preliminar do bando contrário não é contado, exceto nos problemas de ajuda. O número de lances a serem designados no enunciado deverá ser o número de lances a serem feitos pelas brancas.
*20. Para determinar a possibilidade desses lances, é preciso estar claro qual bando move primeiro.
*21. "Posição idêntica" significa os mesmos tipos de peças nas mesmas casas com a mesma vez de jogar.
*22. Incluindo a internet e boletins eletrônicos, mas não email.
*23. Se a fonte é desconhecida, o fato deve ser indicado.
*24. O ano da publicação é considerado mais importante que o período coberto pelo torneio.
*25. Jogo aparente também pode ser indicado em outros tipos de problemas.
*26. Não necessariamente ao mesmo tempo da publicação original.
*27. A real data de um jornal é a data na qual foi publicado, a despeito da data impressa na capa.
*28. O autor é o único responsável por defeitos.
*29. É recomendado que a correção efetuada por outro ("B") deverá, se possível, ser publicada com autorização do autor ("A"). O nome de B também poderá ser mencionado. As seguintes formas são usadas para assinalar a nova versão da obra corrigida (sujeitas a preferência pessoal): "A, corrigido"; "A, correção de B"; "B depois de A". A correção poderá ser publicada como uma parceria apenas se A concordar. Esta observação também se aplica às versões melhoradas de problemas corretos.
*30. Nos casos de reclamação de prioridade com base em publicações temporárias (artigos 20/1, 20/2b, 20/2c), o ônus da prova de que tal publicação realmente aconteceu cabe ao reclamante.
*31. Nem todos os torneios se enquadram em uma dessas duas categorias (por exemplo, torneios de reconstrução, partidas sintéticas).
*32. O diretor e o júri não precisam ser, necessariamente, pessoas diferentes.
*33. Em um torneio formal, versões ou correções de problemas participantes não são admitidos após a data prazo a menos que o regulamento assim o permitir.
*34. O diretor também pode testar o problema competidor quanto a defeitos. Como o autor é o único responsável pelos defeitos (*29), tal teste deve ser considerado um mero esforço em prevenir reclamações após a publicação da premiação mas não como um serviço que os compositores possam exigir.
*35. O júri se concentrará nas questões que requerem julgamento estético (por exemplo, o efeito de uma antecipação parcial). Já questões de fato (por exemplo, prioridade de uma composição antecipada), deverão ser resolvidas pelo diretor.
*36. Em caso de dúvida, o diretor decide em qual torneio informal um problema corrigido participará.
*37. Todas as informações deverão ser fornecidas em um único lado da folha de papel. Diferentes folhas deverão ser usadas para cada inscrição.
*38. Tais evidências podem ser a publicação completa ou uma parte de uma revista ou, pelo menos, uma fotocópia da página relevante.
*39. No entanto, se os problemas enviados anteriormente resultarem em publicação, a primeira publicação determinará a prioridade da obra de acordo com o artigo 22.


**1. As regras FIDE para o jogo de xadrez podem ser encontradas no site www.worldfide.com
**2. Um dicionário especializado nos termos técnicos da composição pode ser encontrado em
www.oproblemista.com.br
**3. WCSC (World Championship in Solving of Chess Problems).
**4. WCCT (World Chess Composition Tournament of the FIDE)
**5. O site oficial do PCCC é
www.sci.fi/~stniekat/pccc. Lá, além deste Codex no original em inglês, também serão encontradas as regras do WCSC e do WCCT.


(p)2008 por Leo Mano. Rio de Janeiro - RJ, Brasil.