Página inicialwww.oproblemista.com.br Você está aqui Ilustres
(p)1999-2008 por Leo Mano. Rio de Janeiro - RJ, Brasil
problemasdexadrez@terra.com.br

Machado de Assis

Joaquim Maria Machado de Assis provavelmente foi o maior escritor brasileiro de todos os tempos. Seria impossível retratar todo seu trabalho aqui, mesmo porque, em sua vasta obra, experimentou as mais variadas formas de literatura: Foi cronista, contista, poeta, novelista, romancista, crítico, ensaísta e jornalista.

Nasceu no Rio de Janeiro em 21 de junho de 1839. Foi criado no Morro do Livramento pelo pai Francisco José de Assis (operário, mestiço de negro e português) e pela madrasta Maria Inês (também mulata) já que a mãe, Maria Leopoldina, faleceu muito cedo.

Gago, epilético, com problemas intestinais e de visão, estudou em escola pública mas, de fato, foi autodidata pois não tinha meios para frequentar cursos regulares e, assim, estudou como pôde.

Não se sabe muito de sua infância mas, já em 12 de janeiro de 1855 (com 16 anos incompletos), publicava seu primeiro trabalho literário (o poema "Ela") no periódico Marmota Fluminense. No ano seguinte entrou para a Imprensa Nacional como aprendiz de tipógrafo e, daí em diante, sua trajetória é bem conhecida.

Sua origem humilde e o fato de ser mulato lhe fizeram vítima de preconceitos (seu casamento com Carolina foi muito combatido). Tentava minimizar sua condição adotando trajes conservadores, postura de "lorde inglês" e hábitos burgueses.

Sua paixão pelo xadrez não foi efêmera. De fato, o xadrez fazia parte de sua vida ao ponto de se tornar um bom jogador e, inclusive, ter a oportunidade de jogar contra os melhores jogadores brasileiros de sua época. Ficaram famosos os seus embates com Caldas Vianna (o número 1 do Brasil na época) e Artur Napoleão. Participava de torneios e frequentava clubes onde praticava com outros aficcionados. Desta forma, não é surpresa encontrar referências ao jogo de xadrez salpicadas em sua imensa obra literária.

Sua mesa e peças de xadrez estão expostos no Espaço Machado de Assis (anexo da ABL no Rio de Janeiro). Esculpidos em madeira, só existem 6 exemplares no mundo (apenas um na América do Sul) e é objeto dos maiores cuidados por parte do museu.

Machado de Assis faleceu em 29 de setembro de 1908 quando não mais resistia às ulcerações na língua, transformadas em câncer por causa das mordidas durante as crises de epilepsia.

Fonte: ABL, Rio de Janeiro - RJ


O diagrama ao lado foi publicado na revista "Ilustração Brasileira" em 15 de junho de 1877. Trata-se do primeiro problema de xadrez de autor brasileiro publicado no Brasil. O autor da façanha, é claro, foi Machado de Assis (provavelmente empolgado com o segundo lugar no torneio de xadrez do Clube Literário Fluminense que reunia a nata da aristocracia).

O enunciado pedia "Mate em 2 lances" e a solução, 1.Bb5! ameaça mate com 2.Df6#. Não resta outra tentativa de defesa às negras a não ser 1...Rd8 (buscando a casa de fuga c8) mas as brancas dão mate com 2.Rf7#

O diagrama sugere ter sido inspirado em uma partida real e a chave pode surpreender os menos avisados pois o bispo se afasta do rei negro. O mate com movimento de rei é um desfecho elegante.

Mande seu comentário.
problemasdexadrez@terra.com.br


"Sobram apenas quatro peões e um distante cavalo escoltando o rei preto. Os inimigos preparam o xeque: bispo, rainha, cavalo e outros quatro peões, sem falar no rei branco. Diante dessas peças restantes no tabuleiro, vem o desafio: Brancas jogam. Mate em dois lances.

Este foi o primeiro problema enxadrístico elaborado por um brasileiro, publicado na revista Ilustração Brasileira em 15 de junho de 1877. Seu autor: Joaquim Maria Machado de Assis.

Três anos depois, a Revista Musical e de Belas-Artes anunciou o primeiro torneio de xadrez disputado no Brasil. Participariam seis dos melhores amadores da Corte. Cada um jogaria quatro partidas com o outro e, no fim, quem obtivesse o maior número de vitórias seria considerado o vencedor. A pontuação do xadrez é simples: vitória, um ponto, empate, meio ponto. Após as primeiras rodadas do torneio, foi divulgado um resultado parcial. Machado de Assis liderava com seis pontos, seguido de Arthur Napoleão (cinco e meio), Caldas Vianna (quatro e meio), Charles Pradez (quatro), Joaquim Navarro (um) e Vitorino Palhares (um). Mais à frente, o escritor apareceria em terceiro, ultrapassado por Arthur Napoleão e João Caldas Vianna.

Terminar atrás apenas daqueles dois não era nenhuma desonra. João Caldas Vianna Neto (1862-1931) foi o primeiro grande enxadrista brasileiro, idealizador da Variante Rio de Janeiro na Abertura Ruy Lopez. O maestro Arthur Napoleão (1843-1925), que aos 16 anos enfrentara o campeão mundial de xadrez Paul-Charles Morphy em partida amistosa realizada no New York Chess Club, lutou incansavelmente pela divulgação e pelo desenvolvimento do xadrez no Brasil.

A cronologia do enxadrista Machado de Assis coincide com a presença de Arthur Napoleão na Corte, a partir de 1866. As duas paixões em comum  a música e o xadrez  aproximaram o escritor e o maestro. Foi sob a influência de Napoleão que Machado se iniciou nos segredos do tabuleiro, do qual passou a ser um aficionado, fazendo do xadrez um sedativo espiritual e um salutar instrumento de convivência social.

Sua intensa dedicação ao jogo nos leva a uma pergunta inevitável: o xadrez ajudaria a explicar o gênio de Machado de Assis? Não faltam precedentes na literatura para justificar essa hipótese. O escritor russo-americano Vladimir Nabokov considerava a criação de um romance semelhante à composição de um problema enxadrístico. Para o novelista russo Ivan Turgueniev, o xadrez era uma necessidade tão imperiosa quanto a literatura. Ao longo da História, o interesse pelo jogo imortal acompanha muitos dos que abraçam o ofício das letras. A lista inclui, entre outros, William Shakespeare, Goethe, Lewis Carroll, Charles Dickens, Arthur Conan Doyle, Rudyard Kipling, Herman Melville, George Orwell, Stephan Zweig, Dostoievski, Ibsen, Edgar Allan Poe, Bernard Shaw, Tolstoi, Balzac e Guimarães Rosa. Gosto que, é claro, não se limita aos escritores. O xadrez está nas mais nobres biografias, do astrônomo Galileu Galilei aos filósofos Spinoza e Diderot, do químico Mendeleiev, inventor da tabela periódica, aos compositores Beethoven e Chopin.

Se Miguel de Cervantes percebia o xadrez como algo semelhante à vida, Machado de Assis, no conto Antes que cases (1875), discorda do escritor espanhol: A vida não é um jogo de xadrez. Mais tarde, em Iaiá Garcia (1878), parece voltar atrás quando atribui à personagem principal duas virtudes  vista pronta e paciência beneditina , e assim as descreve: qualidades preciosas na vida, que também é um xadrez, com seus problemas e partidas, umas ganhas, outras perdidas, outras nulas.

Não chega a ser surpresa constatar que o xadrez seduziu Machado de Assis, um autor que centrou seu interesse na sondagem psicológica e, como poucos, buscou compreender os mecanismos que comandam as ações humanas. Fossem elas de natureza espiritual ou decorrentes da influência que o meio social exerce sobre cada indivíduo, tudo era temperado com profunda reflexão.

A discrição e a obstinação de Machado eram características de um grande enxadrista. Quanto mais sua obra se afirma, mais ele se torna um homem retraído, calado, metido consigo. Em 1880, época de sua mais intensa atividade enxadrística, ele publica, originalmente como folhetim, o romance que para muitos é o divisor de águas em sua carreira: Memórias Póstumas de Brás Cubas. Em 1904, no romance Esaú e Jacó, o autor explica seu método de criação, comparando a narrativa a um jogo de xadrez: Por outro lado, há proveito em irem as pessoas da minha história colaborando nela, ajudando o autor, por uma lei de solidariedade, espécie de troca de serviços, entre o enxadrista e os seus trebelhos. Trebelho é como se chama qualquer peça do jogo de xadrez. A troca de serviços entre o enxadrista e suas peças volta e meia fazia aparecer, explícito, o jogo que seduzia o autor  mencionado também em contos (Questão de vaidade, Astúcias de marido, História de uma lágrima, Rui de Leão, Qual dos dois, Quem boa cama faz), em diversas crônicas e na novela A Cartomante (1884).

Machado de Assis era problemista desde a década de 1870. Publicou vários de seus desafios e enigmas em revistas, além de manter rica correspondência com as seções especializadas dos periódicos da época e ocupar posição destacada nos círculos enxadrísticos do tempo do Império. Em 1868, já freqüentava o Club Fluminense para dedicar-se ao jogo. Anos mais tarde, passou a praticar seu querido xadrez no Grêmio de Xadrez, que funcionava em cima do Club Politécnico, na Rua da Constituição, 47. O interesse se prolongou por anos a fio, como revela sua correspondência com o embaixador Joaquim Nabuco. Em 1883, Nabuco lhe enviou de Londres recortes de jornais com descrições de partidas, atendendo a um pedido do escritor, que assim agradeceu: Antes de falar do livro, agradeço muito suas lembranças de amizade, que de quando em quando recebo. A última, um retalho de jornal, acerca da partida de xadrez, foi-me mandada a casa pelo Hilário.

Em vários números da revista Ilustração Brasileira e da Revista Musical e de Belas-Artes, Machado é citado como solucionista de problemas de xadrez. Arthur Napoleão, que redigiu seções especializadas em algumas revistas e no Jornal do Commercio, publicou, em 1898, Caissana Brasileira, uma coleção de 500 problemas enxadrísticos seus e de outros autores. Entre eles, aquele problema publicado por Machado de Assis em junho de 1877. A respeito desse enigma machadiano, o maestro registrou o seguinte comentário: Como o poeta francês Alfred de Musset, Machado de Assis compôs um bonito 2 lances.

Alfred de Musset (1810-1857), o Poeta Romântico do Xadrez, foi uma das referências literárias de Machado, e parece ter sido também uma de suas referências como enxadrista. Em 1848, Musset tornou-se membro assíduo do famoso Café de la Régence, em Paris. Centro mundial do xadrez, o Café era o lugar preferido da intelectualidade parisiense. O xadrez do século XIX inspirava-se no sentimento romântico: os jogos eram francos e suicidas. Conta-se que, no momento em que irrompeu a Revolução de 1848, em 24 de fevereiro, Musset estava no Café de la Régence, no meio de uma partida. Os tiros começavam a ser ouvidos das ruas, mas foram ignorados pelo poeta, que continuou contemplando o tabuleiro.

Anos mais tarde, provavelmente inspirado por essa história a respeito de Musset, Machado escreveu em crônica de 1° de junho de 1877 para a Ilustração Brasileira:

Conta-se que no Café da Regência, em Paris, onde se joga o xadrez, dois adversários tinham encetado uma partida, quando entrou um freguês às 9 horas e meia e falou a um dos jogadores:
- Como tens passado, Janjão?
O jogador não lhe respondeu; mas, à meia-noite, acabada a partida, ergueu a cabeça e disse placidamente:
- Assim, assim. E tu?
O outro estava, desde as onze, entre os lençóis.

Além dessa incrível capacidade de concentração desenvolvida por seus praticantes, o xadrez tem a fama de estimular outros talentos humanos. Entre eles, o da memorização visual. Um pitoresco relato mostra como este dom assumiu em Machado um caráter todo especial, invadindo o terreno da ficção. Quem conta é o escritor Medeiros e Albuquerque (1867-1934):

Certo dia, Machado me chamou na rua para contar-me este fato: disse-me que, na véspera, à tarde, quando voltava para casa, vira no Largo da Carioca um sujeito que ele conhecia. Conhecia; mas não sabia de onde. Rodou em torno do sujeito, fazendo um grande esforço de memória para lembrar-se de onde o vira, até que, de súbito, achou: Ah! É o Raposo do Medeiros! Eu tinha publicado, dias antes, na Revista Brasileira, um conto  As calças do Raposo. Lendo-o, Machado de Assis evocara um certo tipo para o meu Raposo.

Ou seja: Machado era capaz de evocar um personagem com tanta nitidez que julgava encontrá-lo na vida real!

Para a mente de um romancista-enxadrista, a associação do jogo com a literatura soa natural. A leitura de um livro é apenas uma das possibilidades que o arranjo de suas jogadas, ou histórias, pode conter. Esse é o princípio da combinatória. Esse é o princípio do jogo que Machado propõe aos seus leitores.

Enquanto um livro de Machado de Assis for exumado de uma estante e lido, é porque a partida continua. Estamos em xeque. O próximo movimento de Machado de Assis é um enigma. A ressaca no olhar inesgotável de Capitu é apenas um deles. Pistas essenciais para o estudo da obra do grande escritor brasileiro poderão ser descobertas nos labirintos do tabuleiro, no contínuo movimento de suas peças? Como ele próprio nos aconselha em Iaiá Garcia, será preciso manter a vista pronta e a paciência beneditina, pois aqui (e assim é a própria vida) jogamos xadrez".

Fonte: Cláudio de Souza Soares é enxadrista, analista de sistemas e autor do artigo "Machado de Assis, o enxadrista" (Revista Brasileira, Nº 55, Academia Brasileira de Letras, 2008).


(p)2008 por Leo Mano. Rio de Janeiro - RJ, Brasil.