Página inicialwww.oproblemista.com.br Você está aqui Brasileiros (AB10/19)
(p)1999-2008 por Leo Mano. Rio de Janeiro - RJ, Brasil
problemasdexadrez@terra.com.br
AB00/09 | 10/19 | 20/29 | 30/39 | 40/49 | 50/59 | 60/69 | 70/79 | 80/89 | 90/99 | 100/109 | 110/119


 AB10 - Fritz Loepert
UBP - 1983
Mate 1982, Edição do Autor
(7x3) D4T1b - 6r1 - 7p - 7P - 8 - 8 - PT6 - RB6

S#11. Inverso em 11


 AB11 - E. S. Ribeiro
UBP - 1983
(8x9) 2b1B1T1 - t3p2p - 3b4 - 6p1 - 4T1pr - 4C1C1 - 3p2PR - 4B3

#2. Direto em 2


 AB12 - E. Vital
UBP - 1983
(5x6) 6b1 - 3B4 - 3Bc3 - 1p1rppC1 - 7T - 8 - 3R4 - 8

H#2. Ajudado em 2
2.1.1.1 (duas soluções)


 AB13 - J. R. Chemim
UBP - 1983
(5x8) 3t3b - 2t5 - 4R1pd - 1p6 - 3r4 - Bp1C4 - 4P3 - 5T2

H#2. Ajudado em 2
2.1.1.1 (duas soluções)


  AB14 - J. T. Yamanishi
UBP - 1983
The Problemist, 1967 - Recomendado
(7x8) T7 - 1R2pr2 - 2C5 - 5P2 - 8 - 4p1P1 - 3P2db - B2t1c1b

H#2. Ajudado em 2
2.1.1.1 (duas soluções)


 AB15 - R. Cardoso
UBP - 1983
Sinfonie Scacchistiche, 1983 - 4a. M. Honrosa
(4x3) 8 - 6P1 - 8 - 8 - 2b4R - p7 - P4r2 - 1B6

+. Brancas jogam e ganham


 AB16 - J. T. Mangini
UBP - 1983
CXSP, 1956 - 1a. M. Honrosa
(3x5) 8 - 3R2r1 - 3pT1P1 - 8 - ppp5 - 8 - 8 - 8

+. Brancas jogam e ganham


 AB17 - Paulo Fernandes
UBP - 1985
(10x8) 2C5 - 8 - 2p1T3 - c1rp1bR1 - P7 - bPPB4 - t2P1C1p - D7

#2. Direto em 2


 AB18 - M. G. Sanchez
UBP - 1985
(5x4) 8 - 8 - 4B1p1 - 5ttr - 8 - 6PR - 7P - 7T

H#2. Ajudado em 2
2.1.1.1 (duas soluções)


  AB19 - P. Dalla Rosa
UBP - 1985
Informal da UBP, 82/83 - 1ro. Prêmio
(15x6) 8 - 2p4p - 2BP3B - 2Pp2pP - 2pP2D1 - 2P1C2P - 3CPPT1 - 5R1r

S#11. Inverso em 10


Soluções

AB10 - Se não existisse a torre em b2, as negras dariam mate em 1 lance. Mas... vamos à solução: 1.Tc2 Rh7+ 2.Tc3+ Rg7 3.Td3 Rh7+ 4.Td4+ Rg7 5.Te4 Rh7+ 6.Te5+ Rg7 7.Tf5 Rh7+ 8.Tf6+ Rg7 9.Tg6+ Rh7+ 10.Tg7+ Rxg7 11.Dh1! Rh7#. São 5 baterias encadeadas (bispo + torre) das brancas e mais 5 baterias reais encadeadas (rei + bispo) das negras resultando em 5 xeques cruzados.

AB11 - A chave 1.Th8 ameaça Txh7#. Seguem as tentativas de defesa: a) 1... Bxg3+ 2.Bxg3#; b) 1... e6 2.Txg4#; c) 1... Bf5 2.Cxf5#; d) 1... e5 2.Cgf5#. Curiosamente, as variantes de defesa apresentam anti-duais interessantes e eficientes. Contudo, se as negras jogam 1... Ba6, por exemplo, surgem os duais menores 2.Txh7# (ou Txg4# ou Cef5#). O mesmo ocorre com 1... Ba3 2.Txh7# (ou Cgf5#).

AB12 - As negras começam: a) 1.Cd4 Cf7 2.Rc4 Be6#; b) 1.Cf4 Ce6 2.Re4 Bc6#. Em ambas as variantes o cavalo negro obstrui a linha da torre branca e o cavalo branco obstrui a linha do bispo negro.

AB13 - As negras começam: a) 1.Rc4 Cf4 2.Td4 Tc1#; b) 1.Re3 Cc5 2.Bd4 Bc1#. O cavalo branco atua obstruindo linhas em ambas as soluções.

AB14 - As negras começam: a) 1.Cxd2 Bh8 2.Ce4 Ce5#; b) 1.Cxg3 Th8 2.Ce4 Cd8#. Enquanto o cavalo negro desprega o cavalo branco, bispo e torres brancos executam movidas longas sensacionais.

AB15 - Neste final artístico, as brancas precisam promover o peão em g8 e, para isso, devem desalojar o bispo negro da diagonal a2-g8. O desfecho, contudo, é inusitado: 1.Rg5 Re3 2.Rf6 Rd2 3.Re5 Rc1 4.Rd4 Bg8 5.Bd3 Bxa2 6.Bc4 Bxc4 7.Rxc4 a2 8.g8=D a1=D 9.Dg1+ Rb2 10.Df2+ Rc1 11.De1+ Rb2 12.Dd2+ Rb1 13.Rb3!

AB16 - Um belo estudo e ótimo material para análise. 1.Te1 a3 2.Re6 a2 3.Rf5 b3 4.Rg5 b2 5.Te7+ Rf8 6.Rf6 a1=D (ou b1=D) 7.g7+ Rg8 8.Te8+. Note que a torre branca precisa descer até e1 para ganhar os tempos necessários para a aproximação do seu rei enquanto as negras sobem os seus peões na ala da dama. Por outro lado, se as negras capturarem o peão branco de g6, levam mate de rei e torre sem a menor chance de promover qualquer um de seus peões..

AB17 - A chave 1.Bb5 ameaça d4#. Seguem as tentativas de defesa: a) 1... Txd2 2.Dxa3#; b) 1... Cxb3 2.Txc6#; c) 1... Bd3 2.Cxd3#; d) 1... d4 2.Te5#. Duas aberturas de linhas e dois abandonos de guarda.

AB18 - As negras começam: a) 1.Txg3+ hxg3 2.Tg5 Rg2#; b) 1.Tf3 Rg2 2.Tfxg3+ hxg3#. Mates idênticos com transposição de lances das brancas. A primeira solução exemplifica uma bateria real.

AB19 - "Um soberbo bloqueio zigue-zague bicolor é apresentado em duas fases harmoniosas. A primeira, executada pelo bispo de casas brancas. A segunda, uma réplica, pelo bispo de casas pretas. Entre as duas fases, o sacrifício de bispo que encerra sua missão. A chave de bloqueio preventivo é um pouco atemática. Na posição final, todas as peças são úteis" (Laudo do Juiz Nacional Fritz Loepert). 1.Cd1 cxd6 2.Bxd5 dxc5 3.Bxc4 cxd4 4-Bd3 dxc3 5.Bc2 cxd2 6.Bg6 hxg6 7.Bxg5 gxh5 8.Bh4 hxg4 9.Bg3 gxh3 10.Bh2 hxg2#


(p)2008 por Leo Mano. Rio de Janeiro - RJ, Brasil.