Página inicialwww.oproblemista.com.br Você está aqui Soluções
(p)1999-2008 por Leo Mano. Rio de Janeiro - RJ, Brasil
problemasdexadrez@terra.com.br

DR01 - Solução do Mate Direto em 2

Este problema é chamado "O Condenado" pois é concedido às negras o direito de escolher com qual peça querem levar o mate. Esta propriedade é chamada de Movimentos Coordenados. Após o lance chave 1-Cb6 (ameaçando mate com Tc4), seguem as seguintes possibilidades: a) 1... Cxc5 2.Cc2++; b) 1... Txc5 2.Txa4++ ; c) 1... Tb5 2.Txb5++; d) 1... Rxc5 2.Re6++

Na variante 'a' temos um exemplo de auto-bloqueio. Na variante 'b', um auto-bloqueio e abandono de guarda. Na variante 'c', um abandono de guarda e, na variante 'd', uma bateria real direta. Infelizmente, o problema apresenta alguns pontos negativos: A dama branca sub-utilizada; apenas 3 peças (rei, torre e cavalo) executam defesas (ao invés das 6 peças possíveis - onde teríamos uma task). Como ponto positivo podemos destacar um ensaio (tentativa de solução com uma única refutação) que obedece o tema proposto: 1.Cxa5? Cc7!


AJ01 - Solução do Mate Ajudado em 2

Este problema é um exemplo clássico de gêmeos, um recurso comum nesta modalidade e serve para enfatizar o tema proposto. Quando mudamos o bispo de h1 para h7, surge uma nova solução porém sem fugir do tema apresentado. Isto valoriza a composição (os problemas também são julgados por sua originalidade e economia de peças). Normalmente as negras começam (aumentando consideravelmente a participação delas na solução).

No diagrama "A" teremos: 1.Bf4 Tg2 2.Td3 Te2++
No diagrama "B" teremos: 1.De3 Tg6 2.Pf4 Td6++

Em ambas as soluções as brancas formam baterias de 4 peças realizando auto-interferência e despregadura. Na primeira solução temos um mate com bateria dupla e na segunda solução o mate é com bateria indireta. As quatro peças negras (duas em cada solução com exceção o rei), executam auto-bloqueios.


IN01 - Solução do Mate Inverso em 2

Este problema não é um exemplo típico desta modalidade (normalmente as soluções são em 3 ou mais lances) mas é um ótimo cartão de visitas para os iniciantes. As negras estão praticamente em zug (sem lances) e as brancas farão de tudo para que o bispo negro em g2 seja obrigado a ir para f2 dando mate. As negras farão de tudo para evitar. Após o lance chave 1-Cxd7, teremos as seguintes possibilidades:

a) 1... Ca4 (ou Cxc4 ou Cd5) 2.bxa4 (ou bxc4 ou cxd5) Bf2++
b) 1... Ca8 2.bxa8=C Bf2++
c) 1... Cxc8 2.bxc8=D Bf2++
d) 1... Cxd7 2.b8=T Bf2++

Como ponto positivo podemos destacar as 3 diferentes promoções. Como ponto negativo, a ausência de réplica para os lances da variante 'a', provocando desagradável repetição de capturas sem promoção. A chave com captura pode ser considerada um tanto quanto óbvia.


IN02 - Solução do Mate Inverso em 6

Antes da solução, veja algumas tentativas:

a) 1.Dc1? d5! 2.Df4 d4 (ameaçando bxa3) 3.Dxd4 f4 4.Dxf4=
b) 1.Dd4? d5! 2.Df4 d4 etc...

A dama, apenas aparentemente, tem todo o tabuleiro para se mover. Contudo, ela está encarregada de manter o peão negro de b4 cravado pois, se o bispo sair, o problema não terá mais solução.

A solução correta é 1.Dh4! d5 (1... f4 2.Dxf4 d5 3.Dc1 d4 4.Pf4 d3 5.f5 d2 6.Dd1 bxa3++) 2.Dd4 (2.Df4? d4 3.Dc1 f4=) f4 3.Df4 d4 4.Dc1 d3 5.f4 d2 6.Dd1 bxa3++


AR01 - Solução da Análise Retrógrada

Os problemas de xadrez possuem uma regra: As posições representadas pelos diagramas devem ser possíveis de se alcançar numa partida normal (mesmo que mal jogada) observando todas as regras do jogo de xadrez. Existem modalidades heterodoxas de problemas que não se prendem a essa regra mas a análise retrógrada, ao contrário, é totalmente dependente dela. Ela brinca com os limites da legalidade.

Por exemplo, no problema apresentado aqui, a tentativa de solução com 1.c4 é ilegal! A análise retrógrada prova que a vez de jogar é das negras e, portanto, a solução correta do problema é 1... Da4.

Para ver como foi possível chegar à posição do diagrama, precisamos voltar os lances 15.e6-e7 Cf5-g7 14.e5-e6 Ce3-f5 13.e4-e5 Cd1-e3 12.Cc4-b2 Cb2-d1 11.Ce5-c4 f4-f3 10.Cf7-e5 f5-f4 9.Ch8-f7 f6-f5 8.h7-h8=C f7-f6 7.h6-h7 h7xBg6 6.Bh5-g6 g5-g4 5.Be2-h5 g6-g5 4.Bf1-e2 g7-g6 3.e2-e4 e3xCd2 2.Cf3-d2 e4-e3 1.Bg5-c1 Te1-b1 etc. A partir daqui, a posição é regredida com facilidade.

Veja a solução comentada deste problema em "Chá Das Cinco Com Sherlock Holmes". Uma história inédita do grande detetive...


AR03 - Solução da Análise Retrógrada

No diagrama AR03, a tentativa de solução com b5xc6ep não é legal pois não se pode provar que o último lance das negras foi c7-c5. Por outro lado, adicionando um peão branco em a7, a análise retrógrada garante a legalidade da solução (b5xc6ep).

Veja a solução comentada deste problema em "Indiana Jones e a Cova Perdida". Mais uma história emocionante do grande arqueólogo.


AR04 - Solução da Análise Retrógrada

A partir do diagrama AR04, você pode voltar os lances 13.a7-a8=T Cb3-a5 12.e3-e4 Cd4-b3 11.e2-e3 Cb5-d4 10.Cc4-a3 Ca3-b5 9.Ce5-c4 h4-h3 8.Cg6-e5 h5-h4 7.Cf8-g6 (13 movidas forçadas...) h6-h5 6.f7-f8=C g6-g5 5.f6-f7 h7-h6! (5... fxe6? pois o bispo negro de casas negras não teria como ser descapturado pelo peão branco de g2 que promoveu. Observando que h7 é casa branca) 4.gxf6 Bc3-f6 3.g4-g5 Bb4-c3 2.g3-g4 Dc4-a2 1.Rb3-a4 Dh4-c4 etc...

Veja a solução comentada deste problema em "Aprendendo a Solucionar A.R."


AR05 - Solução da Análise Retrógrada

Este problema é extremamente curioso. Ele reivindica ser um "mate direto em 1 trifásico"! Vamos então tentar explicar alguns conceitos básicos. Os problemas de xadrez possuem até três propriedades: Jogo Real (solução com as brancas tendo a vez de jogar), Jogo Aparente (solução com as negras tendo a vez de jogar) e Ensaio (tentativa de solução com uma única refutação). Se um problema consegue apresentar duas dessas propriedades, ele é chamado Bifásico e se conseguir apresentar as três propriedades, ele é chamado Trifásico.

Isto posto, vamos às soluções. O mate apresentado no diagrama AR05, só pode ter sido dado com o lance cxd6ep. Com isso resolvemos o problema "a". Após esta solução, surge um novo diagrama representado abaixo.

O problema "b" desafia as brancas a darem mate em 1. Você diz: "Ora-bolas, cxd6ep resolve. Qual é a graça?" Acontece que esta solução é ilegal pois não se pode provar que o último lance das negras foi d7-d5. A solução correta é Dxd5++.

O problema "c" também parte do diagrama ao lado. As brancas devem voltar um lance e tornar a jogar dando mate em 1. Observe, por exemplo, que as brancas não podem voltar o lance Bh1xCe4 e dar mate com 1.Dxd5 pois todas as capturas brancas foram feitas por peões (a estrutura de peões brancos exige 8 capturas no mínimo. Portanto o bispo branco não pode "descapturar" nenhuma peça). A solução correta é: Brancas voltam o lance De2-c4 e dão mate com 1.Bxd5++.

Este problema, além de exemplo de mate mudado (uma solução com a dama em c4 e outra com a dama em e2), possui solução para jogo Real (problema "b") e Aparente (o problema "c" inverte a vez de quem joga!). O Ensaio fica por conta das tentativas de solução em cada problema (cxd6ep no problema "b" e a descaptura pelo bispo branco no problema "c"). Estes Ensaios, contudo, já renderam muita polêmica pois não caracterizaram uma refutação única (um Ensaio clássico pode ser visto no mate direto em 2 apresentado nesta página).

A minha tese é de que em análise retrógrada a refutação de uma tentativa de solução não pode se resumir à um único lance mas sim ao fato da solução ser refutada unicamente pela análise retrógrada.


AR06 - Solução da Análise Retrógrada

Este problema é uma armadilha mas que também revela uma outra faceta no mundo da análise retrógrada. Após uma rápida observação, percebemos que as brancas não podem voltar nenhum lance. O rei não pode ter vindo de g1 pois as negras não teriam como dar o xeque com dois peões ao mesmo tempo. Da mesma forma, o cavalo não pode ter vindo de e3 ou g3 pois estaria tirando o rei negro de xeque. Isto significa que o último lance foi das negras e não das brancas. Sendo assim, as negras voltam primeiro com o lance 2-... Ce6xTg7. Agora as brancas voltam o lance Tg4-g7 e tornam a jogar dando mate com 1.Ce3++.

Mas aí você vai dizer: "Puxa! Mas isso é trapaça e, além do mais, se as negras não tivessem colaborado voltando o lance apropriado, as brancas jamais conseguiriam dar mate". Você tem toda razão e é aí que está o pulo do gato! Problemas de análise retrógrada não são embates entre brancas e negras. São, isto sim, um constante desafio entre compositor e solucionista. Neste problema em particular, o compositor declarou que as brancas tem mate em 1 desde que as brancas voltem seu último lance e está desafiando você a descobrir um jeito (que só ele sabe) de conseguir isso.

Se você conseguir assimilar este aspecto da análise retrógrada, você estará apto a resolver futuros problemas que virão a fazer parte desta página...


AR08 - Solução da Análise Retrógrada

Negras e brancas voltam 5.b4xc3ep c2-c4 4.Re6xf6 e5xf6ep 3.f7-f5 Cf5-d6 2.Rf6-e6 e4-e5 1.Re6-f6 Cd5-b6. Brancas tornam a jogar 1.Cd4++

Veja a solução comentada em "Xeques Quase Impossíveis".


AR09 - Solução da Partida Sintética

1.b4 Cf6 2.Ba3 Cd5 3.Dc1 f6 4.Db2 Rf7 5.Dc3 Re6 6.Dc6+ b7xc6 7.b5 Ba6 8.b6 Bd3 9.b7 Ca6 10.b8=D Cd5-b4 11.Db6 Rd5 12.De3 c5 13.Dh6 gxh6 14.g4 Bg7 15.g5 Tf8 16.g6 Bh8 17.g7 Tf7 18.g8=D Df8 19.Dg4 Dg7 20.De6+ dxe6 21.Rd1 Bf5 22.Rc1 Bg4 23.Rb2 f5+ 24.Rb3 c4+ 25.Ra4 Cc5+ 26.Rb5 Ca4 27.Bc1 Bb2 28.Cc3+ Rd4 29.Tb1 Tb8+

Demolição: 1.b4 f6 2.b5 f5 3.Ba3 Cf6 4.Dc1 b6 5.Dd2 Cd5 6.Db4 Ca6 7.Dc5 bxc5 8.b6 Cab4 9.b7 Rf7 10.b8=T Rf6 11.Tb6+ Re5 12.Th6 Cb6 13.g4 Bb7 14.g5 gxh6 15.g6 Bg7 16.Rd1 Tf8 17.Rc1 Bh8 18.g7 Bf3 19.g8=B Bg4 20.Be6 dxe6 21.Rb2 Ca4+ 22.Rb3 Dd4 23.Bc1 Db2+ 24.Rc4 Tf7 25.Rb5 c4 26.Cc3 Rd4 27.Tb1 Tb8+ (István Vadai)

Demolição: 1.b4 f5 2. Ba3 Rf7 3.Dc1 Re6 4.Db2 De8 5.Dc3 Rd5 6.Rd1 Dh5 7.Rc1 Cf6 8.Rb2 b5 9.Rb3 Ca6 10.Dc4+ bxc4+ 11.Ra4 Dh3 12.b5 Bb7 13.b6 Rd4 14.g4 Bf3 15.b7 Cd5 16.b8=T Cdb4 17.g5 Bg4 18.Tb6 Db3+ 19.Ra5 Cc5 20.Th6 gxh6 21.g6 Bg7 22.Bc1 Thf8 23.Cc3 Bh8 24.g7 Db2 25.g8=B Ca4 26.Be6 dxe6 27.Tb1 Tf7 28.Rb5 Tb8+ (Ryan McCracken)

Demolição: 1.Ca3 b5 2.Cc4 bxc4 3.b4 Bb7 4.b5 Bf3 5.b6 Ca6 6.b7 f5 7.b8=T Rf7 8.Tb6 Tc8 9.Th6 gxh6 10.Ba3 Cf6 11.Db1 Bg7 12.Db6 Tf8 13.De6+ dxe6 14.Rd1 Cc5 15.Rc1 Bh8 16.Rb2 Ta8 17.Rc3 Dd4+ 18.Rb4 Cd5+ 19.Rb5 Cb4 20.Bc1 Db2 21.g4 Rf6 22.g5+ Re5 23.g6 Rd4 24.g7 Tf7 25.g8=C Ca4 26.Cf6 Bg4 27.Cd5 Tc8 28.Tb1 Ta8 29.Cc3 Tb8+ (Thierry)


AR10 - Solução da Análise Retrógrada

Este problema é, na verdade, uma charada matemática. Observando o tabuleiro, percebemos que o rei branco está sob um inocente xeque aplicado pelo cavalo negro em "f3". Por si só, isso não constitui uma ilegalidade. Tudo parece normal: basta que as brancas se defendam capturando o cavalo negro. Isto não seria difícil se não fosse impossível! O fato é que não é a vez das brancas jogarem! A posição é ilegal e podemos provar.

Repare que apenas os cavalos, as torres e os peões puderam realizar movimentos durante a partida pois todas as outras peças encontram-se bloqueadas. Sabemos também que os cavalos, em suas posições iniciais, ocupam uma casa branca e uma casa negra (o mesmo acontece com as torres). Se levar-mos em conta que o movimento do cavalo obriga-o a caminhar em casas brancas e negras alternadamente, podemos afirmar que, se os dois cavalos de mesma cor ocupam casas de mesma cor, então esta dupla de cavalos realizou uma quantidade ímpar de movimentos. As torres, pelo inusitado da posição, também foram obrigadas a alternar casas brancas e negras e, se duas torres de mesma cor ocupam casas de mesma cor, significa que o par de torres realizou uma quantidade ímpar de movimentos. Desta forma, observando a cor das casas ocupadas atualmente pelos cavalos, torres e peões, podemos saber com segurança se as brancas e as negras fizeram uma quantidade ímpar ou par de lances.

Isso é fundamental pois, se brancas e negras realizaram uma quantidade par de movimentos (ou se ambos realizaram uma quantidade ímpar de movimentos), então agora é a vez das brancas jogarem. Por outro lado, se as brancas realizaram uma quantidade par de movimentos e as negras não (ou vice versa), a vez de jogar é das negras.

Agora ficou fácil. A dupla de cavalos brancos em "h1" e "h2" realizou uma quantidade par de movimentos. As torres em "b1" e "g1" também. Os peões em "a3" e "h3" fizeram um lance cada um. Isso significa que as brancas realizaram uma quantidade par de movimentos durante toda a partida.

A dupla de cavalos negros em "f3" e "a8" realizou uma quantidade ímpar de movimentos e as torres em "a7" e "g8" realizaram uma quantidade par de movimentos. Os peões em "a6" e "h6" fizeram um movimento cada um. Isso significa que as negras realizaram uma quantidade ímpar de movimentos durante toda a partida e, portanto, agora seria a vez delas jogarem. O xeque, então, é ilegal.


AR11 - Solução da Análise Retrógrada

A primeira vista não há como dar mate em 2 pois as negras sempre podem se defender fazendo o roque. Por isso as brancas precisam voltar o lance b2xCc3! alcançando a posição apresentada no diagrama ao lado.

Nesta posição, a estrutura de peões brancos exige uma captura (em função dos peões dobrados na coluna 'b'). Até aí tudo bem, já que as negras possuem 2 peças fora do tabuleiro. Por outro lado, verificamos que o bispo branco em f6 é promovido, pois o original jamais saiu de c1. O peão branco que promoveu é, com certeza, o da coluna 'e'. Para isso ser possível, este peão precisou fazer pelo menos uma captura (conta exata) para promover em f8 ou d8. Em qualquer caso o rei negro foi obrigado a se mover tornando o roque ilegal. As brancas agora podem jogar Txa5 e não há defesa contra Ta8++.

Este problema ainda apresenta uma fase de ensaio, isto é, tentativa de solução com uma única refutação. São elas:
a) Brancas voltam b2xBc3? e jogam 1.Txa4 Be5!
b) Brancas voltam b2xTc3? e jogam 1.Txa4 Td3!

Resolvido o mate em 2, agora vamos descobrir onde a dama branca foi capturada. Observando o diagrama acima (após as brancas terem voltado b2xCc3), percebemos que existem 3 cavalos negros sobre o tabuleiro. Um deles é um peão promovido. A estrutura de peões negros exige uma captura (em função dos peões dobrados na coluna 'e') e as brancas possuem 3 peças fora do tabuleiro (mas apenas duas podem ter sido capturadas por peões negros já que o bispo branco de c1 jamais saiu). Isto significa que o peão negro que promoveu só pode ter sido o da coluna 'g' e ele foi obrigado a fazer uma captura (conta exata) pois o peão branco da coluna 'g' não dá passagem. Esta captura só pode ter acontecido em h2. As únicas peças brancas fora do tabuleiro que podem ter sido capturadas por peões negros são o bispo e a dama. Contudo o bispo é de casas brancas e h2 é casa preta. Está provado que a peça branca capturada em h2 só pode ter sido a dama.


(p)2008 por Leo Mano. Rio de Janeiro - RJ, Brasil.